Um caderno de leituras

"esguias Graças, Musas de mais magas tranças,
vinde, vinde agora"

Safo

quinta-feira, 28 de maio de 2009

CACASO


reprodução

Cacaso


poética

Alguma palavra,
este cavalo que me vestia como um cetro,
algum vômito tardio modela o verso.

Certa forma se conhece nas infinitas,
a fauna guerreira, a lua fria
encrustada na fria atenção.

Onde era nuvem
sabemos a geometria da alma, a vontade
consumida em pó e devaneio.
E recuamos sempre, petrificados,
com a metafísica
nos dentes: o feto
fixado
entre a náusea e o lençol.

Meu poema me contempla horrorizado.

2 comentários:

Lou disse...

Fortes e belas imagens, Marcílio! Sim... "algum vômito tardio modela o verso".

Beijos,
Lou

Marcilio Medeiros disse...

Lou,
obrigado.
Cacaso recebeu uma bonita homenagem em março de poetas e parceiros musicais.
bjs